quarta-feira, 10 de março de 2010

Uma das razões/poemas porque gosto de Maria do Rosário Pedreira

Nunca soube o teu nome. Entraste numa tarde,
por engano, a perguntar se eu era outra pessoa -
um sol que de repente acrescentava cal aos muros,
um incêndio capaz de devorar o coração do mundo.

Não te menti; levantei-me e fui levar-te à porta certa
como um veleiro arrasta os sonhos para o mar; mas,
antes de te deixar, disse-te ainda que nessa tarde
bem teria gostado de chamar-me outra coisa - ou
de ser gato, para poder ter mais do que uma vida.

                                                  (Os Nomes Inúteis)

in Maria do Rosário Pedreira, Nenhum Nome Depois, Lisboa, Gótica, 2005, p. 13

6 comentários:

  1. :). "A vida passa sempre aquém do possível" (Modesto Navarro)

    ResponderEliminar
  2. E por vezes longe de mais, António. :)

    ResponderEliminar
  3. Muito bonito, sim, Eva. Como quase todos os do livro.

    ResponderEliminar
  4. Obrigado mais uma vez. Bj

    ResponderEliminar
  5. :) Um beijo para ti, António. Bom fim de semana!

    ResponderEliminar