terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Numa das carruagens

Ele era grande. Um homem muito alto. As mãos acompanhavam o seu tamanho. O livro que elas agarravam era pequeno (de bolso) mas ficava-se com a ideia que, naquelas mãos, qualquer volume pareceria insignificante. Era como uma árvore, maior que as que se encontram à sua volta. Do boné saíam chamas. Ele estava a arder. Ao pé dele todos os passageiros daquela carruagem de metro eram pequenos. Ele não estava à vontade. O hábito de se sentir observado ainda não devia ser suficiente para ignorar os olhares. Curvou-se quando saiu como que a pedir desculpa por estar acima de todos os outros e não porque só assim conseguiria sair.

4 comentários:

  1. gostava que isto estivesse inscrito na fantástica azuleijaria do metropolitano de Lisboa.

    ResponderEliminar
  2. Os azulejos merecem muito melhor. E felizmente têm-no. :)

    ResponderEliminar
  3. os da do Parque, os outros das outras estão vagos para esse retrato escrito

    ResponderEliminar