sábado, 19 de junho de 2010

Chegou a grande sombra

“…. Mas a imagem que não me larga nesta hora de melancolia é a do velho que avança sob a chuva, obstinado, silencioso, como quem cumpre um destino que nada poderá modificar. A não ser a morte. Este velho, que quase toco com a mão, não sabe como irá morrer. Ainda não sabe que poucos dias antes do seu último dia terá o pressentimento de que o fim chegou, e irá, de árvore em árvore do seu quintal, abraçar os troncos, despedir-se deles, das sombras amigas, dos frutos que não voltará a comer. Porque terá chegado a grande sombra, enquanto a memória não o ressuscitar no caminho alagado ou sob o côncavo do céu e a eterna interrogação dos astros. Que palavra dirá então?”

in José Saramago, As pequenas memórias, Lisboa, Caminho, 2006, p. 130

1 comentário:

  1. Saramago renasceu no dia da sua morte.
    Depois de Pessoa, Saramago.

    ResponderEliminar