quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

A ver passar os comboios

                                                         Foto aqui

O filme tem já 20 anos. Para alguns ele só dirá algo a um público específico. Para outros é uma obra prima. Houve quem o quisesse censurar e quem o quisesse apresentar de um ponto de vista pedagógico. O seu mérito, parece-me, é não haver nele a perspectiva da droga enquanto problema de saúde pública, de segurança, por via dos crimes associados ao seu tráfico, enquanto causa de destruição familiar, ou outra mais comum quando se aborda este tema. Aqui a droga, do ponto de vista das personagens, é uma escolha, um caminho possível para a felicidade. Os juízos de valor ficam para quem está de fora. Permite pensar, analisar, discutir. E apesar de datado não está desactualizado. 
E se o filme não está desactualizado muito menos a sua banda sonora que ainda hoje ouço com o mesmo prazer.


2 comentários:

  1. A loucura existe... e existirá sempre.

    Talvez seja por isso que parece tão actual.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Luís!
      Sim, felizmente a loucura existe. :)

      Eliminar